Blog

Um de nossos princípios é a comunicação transparente, dividindo os relatórios anuais e reforçando a conexão e o bom relacionamento com nossos participantes.

Conquista: Substitutivo da Reforma Tributária contempla pleitos centrais da Abrapp e das associadas

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

O texto do substitutivo ao PL 2337/21 (Projeto de Lei da Reforma Tributária) apresentado pelo relator, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), na reunião de líderes realizada na terça-feira, 3 de agosto, traz avanços fundamentais relacionados aos pleitos fundamentais da Abrapp e de suas associadas. O novo texto indica que as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) não estarão sujeitas à incidência do Imposto de Renda na fonte relacionada aos lucros e dividendos correspondentes às aplicações dos recursos, mantendo dessa maneira, as regras garantidas na Lei nº 11.053/2004.

“O substitutivo representa um grande avanço que contempla todas as demandas da Abrapp e de todo o sistema e que garantem as regras necessárias para o estímulo da poupança de longo prazo em nosso país”, diz Luís Ricardo Martins, Diretor Presidente da Abrapp. Ele destaca a interlocução com representantes dos Ministérios, em especial dos Secretários de Adolfo Sachsida, Edson Bastos e Bruno Bianco, além do Subsecretário do Regime de Previdência Complementar, Paulo Valle, e do Diretor Superintendente da Previc, Lucio Capelletto, entre outros.

“A Abrapp contou com a atuação decisiva de interlocutores nos Ministérios que defenderam os pontos centrais para garantir a continuidade do diferimento tributário para as aplicações das entidades fechadas, além de evitar a tributação de dividendos decorrentes dos investimentos”, comenta Luís Ricardo. Ele reforça o papel fundamental de atuação da Abrapp na defesa da manutenção de regras adequadas, prestigiando a poupança de longo prazo, e destaca que o Sistema de Previdência Complementar Fechada mostra que sai prestigiado das discussões em torno da Reforma Tributária.

Em entrevista coletiva a jornalistas, o deputado Celso Sabino confirmou que “os fundos de pensão não terão tributação de lucros e dividendos recebidos, bem como para as empresas coligadas”, segundo informações do portal da Exame.

Desde a apresentação do PL 2337/21 ocorrida em meados de julho, a Abrapp vem se manifestando publicamente contra as propostas que ameaçam o diferimento tributário para o sistema. A Associação também realizou diversas reuniões com interlocutores do governo e parlamentares para reverter tais propostas, além de mobilizar todo o quadro de associadas (leia mais).

Projeções da Abrapp indicavam que os efeitos da incidência de tributos no sistema considerando a rentabilidade auferida no ano passado, de 11,3%, poderiam chegar a uma redução de 1,18% ou R$ 11,2 bilhões em valores nominais caso o Projeto de Lei não fosse alterado.

Confira a seguir como ficou a redação dos artigos que afetam a tributação das EFPC no substitutivo ao PL 2337/21:

“Art. 10-A.   § 4º Não estarão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte de que trata o caput os lucros ou dividendos apurados com base na escrituração mercantil distribuídos: II – em decorrência de valores mobiliários correspondentes às aplicações dos recursos de que trata o art. 5º da Lei nº 11.053, de 29 de dezembro de 2004.

Art. 10-B. Os lucros ou dividendos pagos em decorrência dos valores mobiliários integrantes das carteiras de fundos de investimento autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários, independentemente da classificação do fundo de investimento, sujeitam-se ao imposto de renda na fonte referido no art. 10-A à alíquota de 5,88% (cinco inteiros e oitenta e oito centésimos por cento). § 3º Não estarão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte de que trata o caput os lucros ou dividendos apurados com base na escrituração mercantil distribuídos a fundos de investimento constituídos exclusivamente para aplicação dos recursos a que se refere o art. 5º da Lei nº 11.053, de 29 de dezembro de 2004.”

Fonte: Blog Abrapp

Palavras-chaves

Gostou? Conta pra gente o que achou!

Notícias relacionadas

alteracoes_emprestimos

Empréstimos: Decreto altera alíquota de IOF

A Fapa informa que, conforme determina o decreto nº 10.797, de 16 de setembro de 2021, haverá alteração na alíquota de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre os empréstimos.

Veja mais
Página investimentos

Investimentos são apresentados em novo layout no site da Fapa

o início deste mês, traz as informações em formato mais dinâmico e completo.

Veja mais

O que você está procurando?