NOTÍCIAS

Fique sempre por dentro do que acontece
FAPA estuda necessidade de segregação patrimonial 03/09/2018

FAPA estuda necessidade de segregação patrimonial

Atenta aos novos e futuros comportamentos dos seus assistidos, que desde 2012 passaram a contar com uma opção alternativa a Renda Vitalícia, com a implantação da modalidade de recebimento em forma de percentual do saldo a FAPA intensificou seus estudos sobre segregação de ativos financeiros.

O cenário atual trouxe à diretoria preocupações e reflexões sobre uma eventual necessidade de segregação patrimonial, com politicas de investimentos e cotas distintas para o grupo de participantes ativos e os dois grupos de assistidos, tendo em vista seus diferentes objetivos.

“O cenário fica ainda mais complexo, quando consideradas as situações bastante peculiares da entidade e do plano por ela administrado. O fato de o plano estar em extinção e entrando em descapitalização, trazem a tona preocupações adicionais em relação à estrutura operacional para gestão de patrimônios segregados e os custos de gestão,” explica a presidente Cláudia Janesko.

Segundo a presidente, dos 125 participantes da FAPA que aderiram ao Programa de Desligamento (PDV) realizado em 2016 pela Emater, 95% escolheram o pagamento de benefícios em forma de percentual sobre o saldo. Confirmando essa tendência, no PDV realizado em março deste ano, 95% dos 235 participantes que converteram seus benefícios em renda, também fizeram a mesma escolha.

“Discutimos junto Comitês de Benefícios e de Investimentos a necessidade de um estudo específico sobre o tema considerando os aspetos atuariais, de investimentos e jurídicos. O Conselho Deliberativo determinou então, que abríssemos um processo de cotação, posteriormente submetido à apreciação do CD, que deliberou pela contratação da Prevue Consultoria para realização do estudo,” destacou.

De acordo com Janesko, em uma análise prévia o estudo apontou pontos positivos na segregação como o casamento dos ativos e passivos para os compromissos de longo prazo e rentabilidade adequada para os participantes; déficit e superávit futuros apurados de forma proporcional ao risco corrido e com maior previsibilidade; evita transferência de riqueza entre as massas de participantes e comunicação mais transparente.

Já os apontamentos negativos foram a perda de escala; o rebalanceamento das carteiras para pagamento dos benefícios; o potencial aumento do custo de gestão das carteiras, e eventuais questionamentos dos participantes.

A Diretoria e os Comitês da FAPA aguardam novos esclarecimentos e análises quantitativas e qualitativas da consultoria para encaminhar suas considerações ao Conselho Deliberativo.

OUTRAS NOTÍCIAS

Veja aqui outras notícias
FALE COM A FAPA
Previc FAPA

Agência Eureka! Agência de publicidade e propaganda
Obrigado. Responderemos em breve.
X